quarta-feira, 1 de junho de 2016

Politica: Nova forma do parasitismo

Escrito por: Lacombi Lauss

É curioso notar como os políticos realmente se ofendem quando os chamamos de "parasitas". Na verdade, isso é mero reflexo do fato de que os melhores "insultos" são aqueles literais, que captam a essência da realidade a que se referem. Um parasita (um carrapato, uma tênia, uma pulga, uma sanguessuga, etc.) é algo que vive agarrando o hospedeiro e roubando-lhe a sua vida sangue, seus recursos e energia. É claro portanto que políticos são parasitas: eles vivem do dinheiro que extraem das outras pessoas sob a ameaça de violência — o que é chamado de "tributação". Mas antes fossem apenas meros parasitas preocupados apenas farrear e esbanjar o dinheiro que pilharam das pessoas produtivas. O fato agravante é que eles são megalomaníacos obsessivos e obcecados em fazer tudo aquilo que consideram ser o "certo" — o que se resume a impor inúmeras dificuldades para suas vítimas (nós, os genuínos trabalhadores) por meio da criação de milhares de leis e regulamentações.

Se a descrição literal e precisa daquilo que você defende e tolera soa como um insulto, então é porque você está defendendo e tolerando o irracional, alguma posição genuinamente imoral. A solução apropriada não é portanto se espernear e xingar as pessoas que apontam isso, mas sim parar de defender aquilo que é indefensável.

Foto reprodução: Facebook
Emílio Lacombi, conhecido como Lacombi Lauss, é físico, com mestrado em matemática pura e 
economia. 
Hoje está finalizando seu doutorado em Álgebra. 
É também um tradutor e autor de textos libertários tendo colaborado com inúmeros projetos na 
mídia libertária virtual.
Possui diversos artigos e traduções disponíveis em diversos sites libertários,
hoje compilados em seu site pessoal Ideal Libertário. 
Tem foco em interesse na teoria legal libertária. 
Politicamente é um austrolibertário agorista, anti-político e entusiasta de moedas virtuais 
como o Bitcoin, tendo escrito e difundido diversos manuais e guias a seu respeito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário